Sem categoria

Vale-Pedágio: onda de ações judiciais agrava riscos da contratação de fretes

Adiantamento do Vale-Pedágio  A Lei n. 10.209/2001 tornou obrigatório o pagamento do Vale-Pedágio aos transportadores autônomos de carga. O Vale deve ser pago por adiantamento; isto é, o reembolso posterior dos valores não é suficiente para cumprir a Lei. Responsabilidade pelo adiantamento A responsabilidade pelo pagamento é do Embarcador (proprietário originário da carga). A Lei […]

Compartilhe

Publicado em 20/12/2022

Adiantamento do Vale-Pedágio  A Lei n. 10.209/2001 tornou obrigatório o pagamento do Vale-Pedágio aos transportadores autônomos de carga. O Vale deve ser pago por adiantamento; isto é, o reembolso posterior dos valores não é suficiente para cumprir a Lei. Responsabilidade pelo adiantamento A responsabilidade pelo pagamento é do Embarcador (proprietário originário da carga). A Lei equipara ao "Embarcador" o contratante do transporte de cargas e /ou a transportadora que subcontrata com transportador autônomo, que também são solidariamente responsáveis pelo Vale-Pedágio. Sanções pelo descumprimento Além de estarem sujeitas a multa administrativa, as empresas que descumprirem a Lei poderão ter de pagar indenização correspondente ao dobro de valor dos fretes. Esta obrigação de indenizar foi discutida judicialmente, mas o STF decidiu que ela é válida na Ação Direta de Inconstitucionalidade n.º 6.031, ajuizada pela CNI e julgada em 2020. Enxurrada de novas ações judiciais  Em 2021, a Lei foi alterada para reduzir o prazo de prescrição da cobrança de 10 anos para 1 ano apenas. Os Tribunais têm entendido que essa alteração só se aplica para os fretes realizados depois de 2021. A alteração da Lei, somada à decisão de 2020 do STF, estimulou uma enxurrada de novas ações judiciais envolvendo o Vale-Pedágio contra embarcadores, muitas vezes atingindo altos valores.  Recomendações O mais seguro é sempre adiantar o Vale-Pedágio, por meio da emissão de tíquetes validados pela ANTT. Caso um terceiro (p. ex. operadora logística) se responsabilize pelo repasse do Vale-Pedágio, é fundamental ajustar as responsabilidades contratualmente e exigir o destacamento dos valores nos instrumentos de cobrança. Sempre que possível, recomenda-se regularizar contratualmente o passado com as transportadoras mediante assinatura de termos de quitação. Fontes: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10209.htm https://www.gov.br/antt/pt-br/assuntos/cargas/vale-pedagio-obrigatorio https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=752467725

Compartilhe

Você também pode gostar

Bem-vindo(a) à Newsletter do escritório Teixeira Ribeiro Advogados! 

Tenha acesso exclusivo a informações jurídicas atualizadas, notícias relevantes do setor e artigos especializados redigidos por nossos experientes advogados. Para se inscrever, preencha o formulário abaixo e comece a receber a nossa NewsLetter periodicamente.









Política de Privacidade e Proteção de Dados: Garantimos a confidencialidade e o sigilo das informações fornecidas através deste formulário. Os dados coletados serão utilizados exclusivamente para fins de envio da nossa newsletter, conforme a legislação vigente de proteção de dados pessoais.