Sem categoria

Alterações no órgão de diretoria das sociedades anônimas

O caput do artigo 143 da Lei das S.A. (Lei 6.404/76) determinava que a Diretoria de uma sociedade anônima era composta por, no mínimo, 02 ou mais diretores eleitos e destituíveis a qualquer tempo. No entanto, a partir da vigência da Lei Complementar n. 182, de 01 de junho de 2021, independentemente de ser sociedade […]

Compartilhe

Publicado em 18/10/2022

O caput do artigo 143 da Lei das S.A. (Lei 6.404/76) determinava que a Diretoria de uma sociedade anônima era composta por, no mínimo, 02 ou mais diretores eleitos e destituíveis a qualquer tempo. No entanto, a partir da vigência da Lei Complementar n. 182, de 01 de junho de 2021, independentemente de ser sociedade anônima aberta ou fechada e, também, do porte, passa a ser possível que somente 01 diretor ocupe o cargo na Diretoria. Outra modificação importante da Lei das S.A. foi trazida pela Lei 14.195, de 26 de agosto de 2021, que alterou o parágrafo segundo do artigo 146 determinando que, agora, o diretor de sociedade anônima pode ser residente ou domiciliado no exterior. Anteriormente, a lei só permitia que pessoas residentes e domiciliadas no país ocupassem esse cargo. Diante das alterações realizadas na Lei das S.A. que geraram a flexibilização quanto ao funcionamento do órgão de Diretoria, deve-se atentar para algumas particularidades: a) havendo a aprovação para que somente 01 diretor exerça o cargo na Diretoria, a sociedade anônima deverá nomear um substituto, pois em caso de vacância, renúncia ou impedimento do único Diretor, isso não comprometerá o andamento da companhia e não será necessário convocar a Assembleia Geral ou uma nova reunião do Conselho de Administração para a eleição de novo(s) diretor(es); b) mesmo com a possibilidade do diretor ser residente ou domiciliado no exterior, a Lei das S.A. condiciona a sua posse à constituição de representante legal no país com poderes para, até, no mínimo, 3 anos após o término da sua gestão, (i) receber citações em ações contra ele propostas com base na legislação societária; e (ii) receber citações e intimações em processos administrativos instaurados pela Comissão de Valores Mobiliários, no caso de exercício de cargo de administração em companhia aberta. A lei manteve a obrigatoriedade de residência no país somente no caso de eleição para o cargo de conselheiro fiscal, podendo os conselheiros de administração e os diretores serem residentes ou domiciliados no exterior, constituindo representante legal no Brasil. O Teixeira Ribeiro Advogados permanece à disposição em caso de eventuais dúvidas que possam surgir a partir das novas alterações legislativas e para definir a melhor estratégia para a Diretoria da sua companhia.   Lei Complementar n. 182, de 01 de junho de 2021. Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Lei 14.195, de 26 de agosto de 2021.

Compartilhe

Você também pode gostar

Bem-vindo(a) à Newsletter do escritório Teixeira Ribeiro Advogados! 

Tenha acesso exclusivo a informações jurídicas atualizadas, notícias relevantes do setor e artigos especializados redigidos por nossos experientes advogados. Para se inscrever, preencha o formulário abaixo e comece a receber a nossa NewsLetter periodicamente.









Política de Privacidade e Proteção de Dados: Garantimos a confidencialidade e o sigilo das informações fornecidas através deste formulário. Os dados coletados serão utilizados exclusivamente para fins de envio da nossa newsletter, conforme a legislação vigente de proteção de dados pessoais.